ARTIGO
PALESTRA

Mapeamento de acessibilidade da Ufes

Apresentação realizada no 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, P&D 2016, sobre o mapeamento de acessibilidade dos caminhos do campus Goiabeiras da Universidade Federal do Espírito Santo.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Leia este artigo title="Abre a página da palestra">Veja esta palestra

ARTIGO

Mapeamento de acessibilidade da Ufes: uma análise dos caminhos da Universidade Federal do Espírito Santo

O artigo trata do mapeamento de acessibilidade dos caminhos do campus Goiabeiras da Universidade Federal do Espírito Santo, para cadeirantes e para pessoas que apresentam alguma dificuldade de locomoção. Descreve-se a metodologia utilizada na análise dos caminhos, numa perspectiva de Design Centrado no Usuário, destacando-se a utilização da cadeira de rodas, que possibilitou identificar diferentes graus de dificuldade dos trajetos. Descreve-se ainda o sistema de representação desenvolvido para apresentar os resultados do diagnóstico, através de um mapa no qual pictogramas indicavam a natureza dos problemas encontrados, e os diferentes níveis de severidade percebidos nos trajetos eram indicados por padrões cromáticos.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Leia este artigo

ARTIGO

Desenhe seu trajeto: visualização de dados sobre o uso do espaço e a participação de usuários no projeto de sinalização da Universidade Federal do Espírito Santo

O artigo discute a aplicação de métodos de Design Centrado no Usuário no desenvolvimento do projeto de sinalização da Universidade Federal do Espírito Santo. Descreve-se a metodologia utilizada na pesquisa com a comunidade da Ufes, que possibilitou identificar terminologias e marcos de referência utilizados pelos próprios usuários na descrição do campus da universidade. Destaca-se a aplicação de técnicas de visualização de dados para a identificação de padrões de comportamento do público frequentador do espaço. A partir da representação gráfica de trajetos descritos pelos usuários, foi criado um «mapa de trajetos» que permitiu perceber os trajetos com maior tráfego de pessoas, sendo possível distinguir rotas principais e secundárias. Essas informações serviram de base para a estratégia que orientou a localização dos elementos de sinalização a serem implantados no campus da universidade.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Leia este artigo